TTverde


Quanto vale um mandado real?

Quais links Aston Martins , Casacos Barbour e Weetabix? Qualquer suposição? Que tal Hunter Wellies, House of Fraser e Jaffa Cakes? Nada ainda? Experimente Cartier Diamonds, Twinings Tea e Calor Gas Cannisters?

A resposta, é claro, é o sistema de autorização real. Cada uma dessas marcas de assinatura, diversas e díspares como são, fornecem seus produtos à Casa Real. Cada um carrega os pequenos emblemas de nomeação que a Rainha, o Duque de Edimburgo e o Príncipe de Gales concedem às empresas – e cada um colhe os frutos de sua associação com a Monarquia.

Mas o que vale um mandado real? Há quanto tempo essas marcas de reconhecimento real existem? E, mais importante, eles ainda são marcadores relevantes de qualidade nos dias modernos?

Por quanto tempo os Royal Warrants foram concedidos?

Berry Bros. & Rudd mantêm seus mandados desde 1903
A Gieves & Hawkes detém mandados reais desde 1809

Os mandados reais de nomeação foram emitidos pela monarquia há mais de 500 anos – com um dos primeiros destinatários sendo o impressor William Caxton em 1476. E, ao longo dos anos, os mandados foram e se foram; com marcas de Harrods a Hoover perdendo seus compromissos (por motivos que abordaremos ...)

Um dos detentores de mandados mais antigos é a Berry Bros. & Rudd, tendo recebido um mandado pela primeira vez em 1903. Geordie Willis, Diretor Criativo dos comerciantes de vinho, diz que está “imensamente orgulhoso” que a marca deteve Royal Warrants por mais de 100 anos, e acredita que “os warrants são um lembrete constante do compromisso com a excelência”.

Como as marcas garantem um mandado real?

O ‘compromisso com a excelência’ é difícil de medir, no entanto, e a lista atual de 883 Royal Warrants é gerenciada pelo Associação de titulares de mandados reais , órgão responsável por reunir os pedidos de warrants e revisar periodicamente os já concedidos. Perguntamos como as marcas recebem essas prestigiosas marcas de reconhecimento.

Perfumistas da família britânica desde 1730, Floris encapsula o 'compromisso com a excelência'

“Os candidatos devem ser capazes de demonstrar que têm uma relação comercial com a Casa Real”, disse-nos um porta-voz da Associação. “Seus produtos devem estar em uso regular – por pelo menos 5 dos últimos 7 anos – com a Família.”

A Associação avaliará e verificará sua elegibilidade com base nisso e também policiará as regras sobre o uso correto das Armas Reais. Desrespeitar essas medidas de sutileza rigorosas pode resultar na perda de seu mandado, como quando os montadores de roupas íntimas Rigby & Peller perderam seu mandado depois de discutir a rainha em um livro revelador. “As empresas devem manter boas relações comerciais”, continua o porta-voz, “e ser adequadamente discretas em relação ao seu relacionamento real”.

Então, o que vale um mandado real?

“Isso é impossível de responder”, diz nosso porta-voz da Royal Warrant Holders Association, “e varia entre setor, marca e mercado”.

Dito isto, o relatório anual “Value of Monarchy” contém algumas respostas sobre o valor de um Royal Warrant. “Pesquisa de Brand Finance indica”, uma passagem particular de o último relatório diz, “que algumas empresas podem ganhar até 5% de sua receita como resultado de um mandado real”.

Se for verdade, isso significa que a pequena marca e cervejaria Shepherd Neame deve £ 765.000 ao seu mandado real, e os gigantes automotivos Aston Martin fizeram £ 43,8 milhões a mais de negócios graças à sua nomeação para o Household.

Turnbull & Asser são titulares do Royal Warrant desde 1980
O fabricante de artigos de couro Ettinger mantém seu mandado real há 22 anos

São quantias substanciais. E mais duas marcas que se beneficiaram desta marca de prestígio, Ettinger e Turnbull & Asser, ambas fornecem mercadorias especificamente para o Príncipe de Gales. Cada um também viu seus respectivos selos de aprovação atrair mais clientes – tanto na Grã-Bretanha quanto em outros lugares.

“Produzir camisas para nosso futuro rei é algo que prezamos”, diz Steve Quin, da fabricante de camisas Turnbull & Asser, antes de acrescentar: “Desde 1980, ter a oportunidade de exibir as penas do Príncipe de Gales em nossas etiquetas tem sido definitivamente um grande benefício para receita, especialmente com a atração de clientes internacionais adicionais.”

É uma história semelhante na fabricante de artigos de couro Ettinger. “A importância do nosso mandado real não pode ser subestimada”, diz o CEO Robert Ettinger, “particularmente nos mercados estrangeiros”.

Então, o que há nos Royal Warrants que atraem os mercados estrangeiros?

A rainha, o duque de Edimburgo e o príncipe de Gales podem emitir mandados

“A família real britânica é embaixadora do sofisticado estilo de vida da classe alta britânica”, diz Qing Wang, professor de marketing e inovação da Universidade de Warwick. “E, no marketing de marcas de luxo, o patrimônio é um recurso crítico e é percebido como um atributo-chave da autenticidade da marca e da aura da marca.”

Os Royal Warrants, explica Wang, podem não ser tão amplamente reconhecidos no exterior, mas ainda abrem enormes faixas de novos clientes em potencial. “Mesmo para quem não tem o conhecimento dos Royal Warrants”, continua o professor, “a imagem dos Royal Warrants e o brasão fornecem uma forte indicação de autoridade e qualidade dos produtos e marcas em seu subconsciente. ”

E por que os Royal Warrants têm um apelo tão duradouro?

500 anos é muito tempo para um sistema funcionar tão bem. Então, o que há nessas marcas de qualidade e tradição que os mantiveram na vanguarda do prestígio do varejo por tanto tempo? A Royal Warrant Holders Association acredita que eles implicam serviço, qualidade, excelência, herança e 'britishness' – todos os quais eles dizem “estão em grande demanda”.

A Associação também cita o alcance em receptores como fator de longevidade do sistema. Apenas este ano, eles revelam, a rainha concedeu um mandado para Montala, desenvolvedores de software para gerenciamento de ativos digitais.

O Príncipe de Gales emitiu uma autorização real para o The Ritz em 2002
Aston Martin Lagonda mantém seu mandado desde 1982

“Os Royal Warrants certamente ainda são reconhecidos e valorizados pelos clientes”, diz o professor Qing Wang. “E eu vi alguma mudança apreciável no sistema de mandado real na última década. À medida que a família real britânica ganhou mais apelo na última década, tornou-se mais reconhecida.

“A Família Real Britânica é o símbolo mais proeminente em todo o mundo da herança e tradição da Grã-Bretanha”, acrescenta Wang. “Adaptou-se à nova era e projeta uma imagem positiva e progressiva.”

É uma imagem que claramente vende também. Se um warrant pode adicionar até 5% da receita à sua marca, é uma marca que vale a pena perseguir. E, com marcas de fabricantes de armas da Holland & Holland ao molho HP sendo abençoadas com as cristas, há provas de que a Royal Warranting é um sistema tão lucrativo quanto prevalecente.

Quer mais histórias de negócios britânicos? Aqui está o que aprendemos em 20 minutos com Sir Richard Branson…